segunda-feira, 8 de março de 2010

Principais erros dos principiantes

Pessoal, escrevi uma estorinha aqui para vcs, que reflete os principais "sofrimentos" do  trader.

Mais conteúdo, visite http://www.arcotrading.com.br/ - o seu site de educação de bolsa de valores.
-----------------------------------------------------------------------------------------------

Quando eu comecei a operar, a bolsa subia todos os dias e eu via meus amigos falando com uma propriedade impressionante das operações que eles faziam e, claro a todo tempo invocavam o nome de grandes gurus e estórias de gente que fez fortuna na bolsa.


Eu me impressionei muito com tudo isso, peguei meu dinheiro, juntado nos esforço de poupança de muitos anos, escolhi uma corretora e estava pronto para ficar milionário, como todos os outros, afinal, ninguém perdia dinheiro na bolsa.

Bastava freqüentar um fórum qualquer, falar com o mestre ninja de plantão e colocar o lucro no bolso. Esse foi meu primeiro erro, achar que na bolsa só se ganha e, por conseqüência, que seguir os gurus que davam as dicas para que eu ganhasse seria suficiente.

Em breve eu descobriria que o segundo mito da bolsa também não era verdadeiro. Disseram que se o valor do papel cair eu estaria em prejuízo contábil, mas se eu não vendesse, eu não realizaria o prejuízo e, portanto, não era prejuízo de verdade, afinal, o número de papéis que eu tinha, era o mesmo. Além disso, os papéis caiam e logo subiam de novo, e que eu não deveria me afobar. Vi que a contabilidade é linda, até para pregar peças nos incautos. Foi a minha segunda dor, depois de comprado em um papel que perdeu mais que 50% do seu valor eu vi que a coisa dói e tira o sono. Dái aprendi que eu e meus amigos que operavam ou não sabíamos ou tinham dó de usar stop. Este tipo de comportamento é muito interessante porque entrar em um ativo sem stop é a mesma coisa que colocar seu dinheiro em cima da mesa em uma sala cheia de gente que está lá para “pegar” o seu dinheiro e ir embora achandoq eu ninguém tocará nele.

Isso me levou a perceber meu terceiro erro. Eu não tinha estratégia! Qual era a estratégia para cada operação? Quais seriam os pontos certos de entrada e de saída de um ativo? E se o preço caísse, o que eu faria?

Bom, foi aí que a coisa fez BUM! O que é que eu tinha na cabeça? Botei meu dinheirinho em um negócio que eu não sabia o que era, não sabia quando comprar, não sabia quando vender, e não sabia o que fazer... Atitude bem esperta, né?

Entrei no próximo estágio, a busca pelo conhecimento! Afinal, todo mundo estava fazendo fortuna e eu não podia ficar de fora.

Comprei, e estudei, pelo menos uns 15 livros. Estudei linha a linha, fiz cursos com os gurus e aprendi o que significavam os indicadores técnicos, a análise fundamentalista e tudo o mais que era necessário. Eu já havia superado pelo menos alguns erros comuns que os iniciantes cometem.

Agora eu tinha estratégia, sabia e não tinha medo de usar stops, e o conhecimento me mostrou os pontos de entrada e de saída ( obrigado meu bom fibonacci ). Eu me sentia forte! Agora posso entrar na briga e sair com o bolso cheio!

Assinei uma ferramenta de análise gráfica, instalei no meu computador e assim que olhei para a tela preta me perguntei..e agora? Qual a combinação correta de indicadores e qual a configuração de cada um deles. Começava um episódio épico da minha história na bolsa. Mais de um ano testando combinações diferentes de indicadores e suas configurações para atingir uma tela de operações que me permitisse ganhar mais do que perder.

Claro que não existe um manual para isso, eu tive que descobrir na unha, um a um, e isso me custou muito dinheiro, porque eu testava as possibilidades combinatórias com trades reais. Perdi 70% do meu capital fazendo testes, mas valeu a pena.

Bom, agora eu tinha estratégia, sabia usar stop, tinha uma tela de operação decentemente configurada, mas eu descobriria que ainda faltavam elementos para eu fosse um operador de sucesso.

O primeiro elemento que eu tive que superar foi o medo! Isso mesmo! O medo! Acho que você já deve ter sentido aquela sensação de frio na barriga, vendo o slip preenchido na tela, e não sentir a confiança de apertar o comprar ou vender. Aliás, depois de superada essa fase, eu gosto de brincar com os amigos que o slip tem dois botões. O primeiro, bem pequeno, está escrito “ganhar”. O segundo, gigante, está escrito “perder”. Quase sempre apertarmos o de perder. É grandão, bonito, e os tubarões estão tão lindos atrás dele. É quase hipnótico! E você vai direitinho nele.

Bem, agora eu tinha estratégia, sabia usar stops, tinha conhecimento, perdi o medo, era paciente e entrava em várias operações mas logo percebi que faltava uma coisa muito simples e que me ajudaria demais na escolha dos ativos que estavam em condições similares. Eu não avaliava a relação risco/retorno, deixando ativos muito interessantes de lado para operar riscos altíssimos com retornos exíguos. Isso é muito importante. É a diferença entre ganhar 3% ou 15% no mês. Ahhh, você pode dizer, já conformado de tanto levar chumbo na bolsa ”... não perdendo já está bom...”. Bom para você, mas não bom para quem quer multiplicar patrimônio na bolsa. Isso pode ser diferença entre você ter um carrão alemão ou o carro do Pokemón. Daí depende exclusivamente de você.

Outro erro comum era o preconceito em operar na venda. Claro que é um momento psicológico desagradável, destruição generalizada de patrimônio, mas se ficar caindo por 2 anos seguidos você vai ficar só olhando? Eu não consigo. Se não faço um trade todo dia começo a ser afetado pela doença crônica que acomete os operadores de bolsa, o delirium tradens ! Superei esse preconceito, aprendi a operar na venda, que tem seus procedimentos particulares, e agora estava feliz, seja no mercado de alta, seja no mercado de baixa.

Isso me abriu um leque para outras operações. Agora eu estava maduro, com o psicológico controlado, com conhecimento para operar e comecei a operar travas, taxas a fazer posição em ativos e desenvolver critérios vencedores de curto, médio e longo prazo.

Eu estava feliz, ganhando, sorrindo até que recebi uma cartinha. Era do leão! Ele era meu sócio (eu até que sabia), mas não fazia um controle de trades. Foi a última lição aprendida. Paguei caro por isso, o sócio quis a parte dele, e levou!

Bem, essa é a minha história de aprendizado, que foi eliminando os erros e me transformando em um operador maduro e de sucesso. Mas claro que novos desafios, técnicas e procedimentos surgirão, mas agora, pelo menos, eu não perco mais o meu dinheirinho!

6 comentários:

Fernando Biondi disse...

Boa noite Ricardo,

Agradável o seu texto, além de esclarecedor.

Tomei a liberdade de postá-lo no Papo de Bolsa (http://www.papodebolsa.com/?p=20353).

Foi citado o autor (no alto) e fonte / link (no encerramento do texto).

Caso tenha alguma objeção retiro postgem.

Parabéns pelo trabalho que vem realizando.

Abraços

Fernando Biondi
http://www.papodebolsa.com/

Helmer disse...

é uma auto-biografia? hehehe

Ricardo disse...

Fernando, muito obrigado por nos acompanhar.

Por favor, fique a vontade postar o que vc quiser la no papo de bolsa.

Abs,
Ricardo

Ricardo disse...

ehehe, quem nao passou por isso..?

Mas eu montei essa estorinha a partir dos depoimentos da galera

Almeida disse...

Boa história.
Abs,

Filipe disse...

Olá Ricardo,

Gostei do post. Está simples, conciso e directo.
Fica uma pergunta de newbie.
Quando te referes a "passar um ano a afinar combinações de indicadores... e que perdes-te 70% do capital" tem alguma coisa relacionado com a aquisição de conhecimento do mercado onde estas a investir???

Quais a dicas que darias a um NEWBIE?
Imagina alguém que compra e vende velinhas para decorar a casinha e acha esse mundo interessantissimo, mas nao sabe por onde começar, até porque nao tem formação superior...
Abraço